Como transferir dinheiro do Brasil para o exterior pagando menos taxas. Ou como evitar o IOF

Confesso, confesso: estava com um pouco de preguiça de escrever todas as informações sobre o transferwise, mas me dei conta que não posso deixar de compartilhar uma maravilhosidade dessas.

Já uso há algum tempo e digo: é seguro. Pra mim, é uma alternativa sensacional, já que preciso transferir frequentemente dinheiro da minha conta, no Brasil, para a Europa. Sem dúvida, foi a melhor maneira que eu encontrei de pagar menos taxas, já que transfiro o meu dinheiro entre duas contas minhas. Ou seja, pra utilizar o site, é necessário haver uma conta no exterior, porém, esta conta não precisa estar no seu nome, claro.

É aí que entra a história de evitar pagar o IOF em viagens. Se você tiver um amigo ou familiar morando fora do Brasil e com uma conta internacional, você pode enviar o seu dinheiro ao seu amigo pelo transferwise e, chegando ao destino, pegue o dinheiro com ele. Meu irmão chega por aqui em menos de um mês e já me ofereci pra fazer isso. Por que não, né? Com a economia das taxas e IOF, podemos pagar uma diária de um carro, um jantarzinho, entradas em museu. Pra que gastar dinheiro à toa, se temos outras alternativas? 

Costumo dizer que o transferwise é o equivalente ao Uber das transferências (e descobri que copiei essa fala de alguém porque, escrevendo este texto, já li a expressão diversas vezes, haha). Um serviço parecido com o que os bancos oferecem, mas melhor para quem o utiliza. Tudo isso porque eles tiveram uma sacada sensacional (por que não nasci assim, inteligente?).

Me explico.

É como se o transferwise tivesse escritórios espalhados por diversos países do mundo. E eu, que recebo em reais, no Brasil, preciso transferir meu dinheiro para o meu banco aqui na França ou na Espanha. Em vez de fazer uma transferência REAL do Brasil à Europa, eu pago um boleto com o valor da transferência que é destinado ao transferwise e eles, que tem fundos no escritório da Europa, me repassam esse valor. São duas transferências locais, em vez de transferências internacionais. Eu pago ao escritório do Brasil e o escritório da Europa me repassa o dinheiro. Assim, todo mundo ganha.

O transferwise nos cobra uma taxa ínfima (ainda mais se comparada às taxas que os bancos nos cobram + IOF) e a conversão deles é boa. 

Para leigos, como eu.

Mais explicações

Eles, inclusive, comparam as taxas do banco, o cambio e não temos que pagar o IOF a mais se decidirmos usar outros meios de pagamento na viagem, como sacar dinheiro pelo caixa eletrônico, pagar com cartão de crédito, débito, etc... De toda a quantia enviada, além da economia em utilizar o transferwise, ainda evitamos acrescentar os 6,38% de IOF. 

Pra que fique ainda mais claro, vou colar aqui um trecho de uma reportagem do Estadão, onde eles explicam como surgiu a empresa:

“Em 2010, Taavet conheceu um outro estoniano, chamado Kristo Käärmann, que trabalhava numa empresa de consultoria e também havia sido transferido para Londres. Kristo tinha um financiamento na Estônia e, por isso, todos os meses, fazia o oposto, mandava dinheiro do Reino Unido para o seu banco na Estônia. Não demorou muito para eles terem uma ideia: ao invés dos dois ficarem pagando as altas taxas para transferir dinheiro de uma país para o outro, Taavet transferiria dinheiro da conta dele na Estônia para a conta do banco de Kristo no mesmo país e Kristo transferiria dinheiro para Taavet para sua conta no banco de Londres. Fariam assim duas transferências locais, pagando muito menos em taxas. E para serem justos com a taxa de conversão entre as moedas, resolveram usar a média entre compra e venda, o que era fácil de checar consultando o site da Reuters.

Depois de alguns meses fazendo isso, eles começaram a ouvir de outros estonianos que esta solução também resolvia um problema que eles enfrentavam. Eles começaram a pensar então que este poderia ser um problema que atingia muito mais gente do que eles imaginavam. E que isto poderia acontecer diariamente em muitos países ao redor do mundo.”

O site é bem fácil de usar e, depois de fazer o cadastro com seus dados pessoais e upload de um documento que precisa ser verificado, tudo está ok pra começar a fazer operações. Se você se cadastrar por este link-convite (transferwise), a primeira transferência (de até 500 libras – algo em torno de 2000 reais) será isenta de taxa. É uma ótima jogada de marketing pra eles, claro, e sai todo mundo ganhando.

 

 

Abaixo, vocês podem observar a simulação dos 500 pounds. Tá dando pra entender direitinho como funciona?

 

Agora que a simulação foi feita, é hora de fazer a operação real. Se tudo estiver ok, é só clicar em “enviar dinheiro” que aparecerá a tela abaixo, já com a data estimada da chegada do valor na conta de destino.

Dá pra perceber que fiz ao contrário, não é? Sem problemas! É só trocar o câmbio que tudo normaliza. Dá pra ajeitar tudinho durante a operação.

Escolhe-se a conta de destino, do beneficiário. É necessário só saber o nome e o IBAN, que é o formato internacional de conta bancaria, utilizado pelos bancos para fazer transferências entre países.

Eu já tenho a minha conta cadastrada, mas é fácil de cadastrar outro beneficiário

Exemplo da tela no caso de você não saber o número de conta do beneficiário

Aqui, no caso, é só saber o nome do beneficiário e o IBAN, que expliquei acima

 

A tela seguinte é de confirmação sobre os detalhes da transferência e, em seguida, um boleto será gerado para o pagamento da quantia. O boleto tem validade de 24 horas.

Se mudar de ideia, se você se confundiu com o valor, é só cancelar a transferência e não pagar o boleto, ok?

Como não amar o transferwise? <3