Baluard: A melhor padaria de Barcelona

 Foto: Baluard

Foto: Baluard

Tudo é questão de gosto, mas eu confesso que depois de morar em Paris e ter aquelas boulangeries todas à disposição, demorei pra conseguir encontrar um pão que me agradasse em Barcelona. Até que... Me mudei para o bairro da Barceloneta e, com a mudança, veio a padaria na minha rua.

Localizada bem em frente ao mercado da Barceloneta, eu passava e sempre tinha fila: dos moradores locais a turistas. Resolvi experimentar e tchum: foi amor.

 Foto: Baluard

Foto: Baluard

Existem vários tipos de pão, de baguetes, croissants, pão de chocolate, doces e tudo o que uma padaria tem direito. Lembrando que é padaria de porta, não é pra sentar e tomar seu café com pão, é pra entrar na fila e falar o que quer, pagar e sair carregando seus pãezinhos.

Essa é a quarta geração de padeiros, a qual Anna Besollà representa a família. Tudo começou lá em 1892, quando seu bisavô abriu uma padaria em Girona. Depois de passar por gerações, Anna fundou a Baluard, na rua de mesmo nome, em Barceloneta (ainda bem e gracias, Anna!).

Expansão:

No ano de 2013, a Baluard recebeu uma proposta de abrir um forno de pão de forno dentro do hotel Praktik Bakery, no Eixample. Assim nasce a segunda padaria Baluard, pra acalentar os corações da parte mais alta da cidade. Essa, sim, é o tipo de padaria/café que podemos sentar pra apreciar os pães e doces. 

Hoje em dia, abriram uma outra pequena padaria em Pedralbes e assim fazem chegar esses pães em diversos pontos de Barcelona (tem dentro da parte Gourmet do Corte Inglês também).

 Foto: Baluard

Foto: Baluard

Pães:

Se quiserem saber um pouco mais sobre os pães, acessem - mas não digam que eu não avisem de, de repente, a boca de vocês encher de água <3

http://baluardbarceloneta.com/es/nuestros_panes

“Cada pan es una pieza única, artesanal y casi artística, llena de texturas, colores, formas. Me gusta el pan. No hay un aroma tan sutil como el de un pan saliendo del horno. El aroma que llena las tahonas de un perfume de serenidad nocturno.

Me gusta el pan, el pan que solía hacer mi abuelo, el que me trae recuerdos de humanidad, de sabiduría y de trabajo. El pan que solía vender mi abuela.

El pan que más tarde amasaría mi padre y vendería mi madre… y ahora, pasado el tiempo, rodeados por el mar, instalados en la Barceloneta, barrio marinero y característico, la amasadora sigue amasando, el horno de leña gira a diario, la harina llena todos los rincones de nuestra tahona, y las manos dan forma con ilusión a lo que será un pan.

Sencillamente un pan.”

 Foto: Baluard

Foto: Baluard