Visca Barça!

DSC_0124

599013_10150990234480100_763067653_n VISCA BARCELONA (Viva Barcelona)

E ela chegou assim, de repente, sem avisar. Ou se tentou avisar em algum inverno bem rígido enquanto eu vivia em Paris, não dei ouvidos.

Talvez de longe eu ouvisse a voz dela, no fundo: Se vieres para cá, teu inverno pode se tornar primavera. Não fui, não fui.  Não fui por pura tolice porque sempre tive o péssimo costume de contrariar as pessoas.

Mas também sei ceder e depois de tamanha insistência, fui. E não é que fui chegando, sentindo, vendo e ela tinha razão! Vivi o inverno mais primaveril de minha vida. Barcelona é assim: chega, te seduz como se não quisesse seduzir, te encanta. Te mostra arte, cultura. Moderno, novo. Contemporânea, medieval. Plural! Nesse querendo-não-querendo, te mostra pelo caminho muitas tendências dentre as galerias de arte a meio fio. Mostra moda.

Ela chega e te surpreende com sua arquitetura. Ela, tão cosmopolita, te surpreende com o que te faz sentir. E, no meio de tudo isso, ainda tem a praia e o mar mediterrâneo.

Essa abstração total que chamamos de Barcelona, para mim, é uma figura quase humana e eu estabeleci com ela uma ligação de cumplicidade enorme; Barcelona conheceu meus segredos mais profundos, Barcelona me viu chorar de pura tristeza, me acolheu dentro das noites de solidão única, escutou minhas mais altas gargalhadas em cada uma de suas esquinas, Barcelona me despertou uma felicidade clandestina que eu nunca havia experimentado na vida. Barcelona simplesmente me apresentou à mim mesma.

No embasbacador universo modernista, onde Gaudí está por toda parte com alguns outros artistas catalães como Lluís Domènech i Muntaner, quem conhece outras cidades da Europa se comove com Barcelona pela modernidade da “coisa”. Ou modernidade da “cor”. Barcelona te transforma. Barcelona te pulsa. E o pulso…

Encontramos também outros ícones igualmente atraentes e culturalmente fantásticos: Dalí, Miró e Picasso.

Dois mil anos de história. Aberta a inovações. Acolhedora, caliente, plural. Diversa! Em Barcelona os idiomas oficiais são o catalão e o castellano. As duas línguas coexistem num bilinguismo parecido à outras regiões do mundo.

Eu compreendo que nenhuma cidade pode ser comparada à outra, mas Barcelona encabeça a regra. Capital da Catalunha – uma comunidade autônoma – Barna é a que menos se sente e, logo, se expressa espanhola. Não só pelo idioma, mas por serem altamente “nacionalistas”, separatistas.

E também pela economia e turismo que Barcelona possui. É notória a rivalidade entre Barcelona e Madrid – a capital do país – e assim compreendemos que em tudo e POR TUDO, as diferenças vão muito além de simples rixa. Para mim, em termos de riqueza cultural, a Espanha é um dos países mais interessantes e, Barcelona, na minha opinião, está entre as 5 cidades mais absurdas (no sentido maravilhoso da palavra) de todo o mundo.

Em Barcelona não se encontram aquelas “espanholices” mais típicas como mulheres vestidas com trajes tradicionais andaluces e todos os adereços correspondentes (castanholas e leques, etc), nem os chapéus de toureiro e os belíssimos “cavalos andaluces”, assim como também não encontrarás os touros de Miúra, mas encontram-se  os saborosos azeites extra virgens e a estupenda culinária espanhola, encontram-se as cores espanholas como num filme de Almodóvar.

Além disso tudo, ainda tem o Barça, com seu slogan em catalán dizendo que é Més que un club, me conquistou pela mobilização popular. Eu, fanática por futebol, às terças e aos domingos indo ao estádio ver meu clube jogar em Belém, aqui também me deixei ser contagiada por toda a magia do melhor clube do mundo. Visca Barça!

Na minha opinião, aqui existem dois pontos mais altos. Um seria a riquíssima arquitetura que vai do gótico ao modernismo – tão proximamente quanto duas calçadas da mesma rua – e especialmente este que tem toda a sua personalidade admirada em BCN e ainda mais forte nas mãos de Gaudí e sua arquitetura completamente orgânica que, sinceramente, acho difícil ser encontrada em qualquer outro lugar do planeta. E o segundo é a beleza natural da cidade e o mediterrâneo para completar, fazendo casal com o céu mais azul que já vi em vida e que, eu mesma denominei (nada original) azul-barcelonês.

Barcelona te encanta de uma ponta a outra. Barcelona cheia de tapas, sangrias, festas. Pode também ser uma Barcelona pacata, calma e azul.

Barcelona é camaleão. Barcelona é adaptável. Barcelona não pode permitir definição.